Sou a favor da vida (menos a dos mosquitos)

Acredito que toda forma de vida deve ser respeitada. Tive uma avó budista, que sempre me ensinou que de nada adianta matar uma barata, se ela não está te fazendo mal. E assim cresci, sem matar uma barata sequer, a não ser que ela estivesse me fazendo mal (admito, às vezes eu matei porque não conseguia dormir pensando nela viva no mesmo quarto que eu, mas isso é me fazer mal, né?). Divaguei.

Eu não sou a favor da pena de morte, não arranco flor da terra, sou simpatizante de vegetariano (ainda não consigo), não mato nem a formiga que anda no mel (que vêm da serra da Mantiqueira, “onde todos os seres são felizes” sic). Enfim, eu respeito todas as formas de vida, das menores às maiores.

Menos uma: os mosquitos.

Mosquito é um bicho muito do filho da puta. Que direito ele tem de vir, na surdina da noite, te incomodar assim? Você reclama do seu chefe que “suga teu sangue” no sentido metafórico, mas é esse mosquitinho que, além de filho da puta, é viado, que o faz literalmente. LI-TE-RAL-MEN-TE, suga teu sangue. Ele chega, te fura, fica a noite toda te comendo. O mosquito é tão escroto que, se você reparar, tá lá no seu quarto também durante o dia. Ele nem se preocupa em ir passear. Ele pode voar, coisa que muito ser, humano ou não, daria tudo pra poder fazer, mas ele não. Tá pouco se fudendo, ele quer mesmo é te fuder.

Mas ele não quer só seu sangue, ahhh, não. Ele quer acabar com a sua vida, como um todo. Se ele voar em QUALQUER parte do seu corpo enquanto você dorme, você não vai sentir nada. Só que além de filho da puta, viado e escroto, ele é mau caráter, e escolhe ir direto pra sua orelha.

Certa noite, a porra do mosquito zumbia tanto que eu tirei todas as cobertas, fiquei só de cueca e falei “Taí! Toma! Eu desisto! É tudo seu, tudo, costas, pernas, braços, coxão mole, coxão duro, chã, patinho e lagarto. Vai que é tua! Mas me deixa dormir, pelo amor de Deus!!”. Além de filho da puta, viado, escroto e mau caráter, mosquito é satanista. Eles não acreditam em Deus e, por isso, não atenderão a tais súplicas. Continuou zumbindo no meu ouvido, o maldito!

Se eu vejo um mosquito, eu mato. Não quero nem saber se ele era “do bem”, não me importa. Uns pagam pelo que os outros fazem, a vida é assim. Sei que se os mosquitos todos morressem, as lagartixas iriam morrer, e aí outro animal não ia sobreviver sem as lagartixas, e assim por diante e BUM! Fim do ecossistema, do mundo, da vida! Pouco me importa. Porque ó, isso aqui, esse quarto cheio de mosquito, isso aqui num é vida não…

Anúncios

Sobre Rafael

Roteirista | Videomaker | VJ | | Writer | Videomaker | VJ

Publicado em junho 25, 2010, em RAFUCKO.TXT e marcado como , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: