Arquivos do Blog

Mostra de Cinema Brasileiro em Salzburg

Neste ano, participo mais uma vez da Mostra de Cinema Brasileiro em Salzburg. Vou exibir a entrevista com Eduardo Viveiros de Castro, seguida de um debate com o escritor Daniel Munduruku (vai ter streaming, acompanhem no Face), e dar um curso de Audiovisual de Guerrilha: o Estúdio de um Homem Só, no cinema Das Kino. Também faço assistência a Eduardo Nunes na Oficina de Relização Audiovisual na Universidade de Salzburg.

A Mostra une cinema, literatura e música ao aprendizado de português – os alunos da Universidade produzem um curta todo ano, que é exibido na abertura do Festival.

Aqui, alguns vídeos dos anos anteriores que participei desta Mostra:

Curta sobre expressões da língua portuguesa:

Curta-metragem baseado nas crônicas futebolísticas de Nelson Rodrigues:

Discurso na Abertura do Festival em 2013:

FB-Kinoprogramm-2014-14

Clique na imagem para ver o Programa completo.

Entrevista com Eduardo Viveiros de Castro

Artigos relacionados:
Festival exibe filmes brasileiros em Salzburg, na Áustria

Anúncios

Parada Gay de SP 2013

Não é segredo para ninguém que o Brasil já vive sob comando da Ditadura Gay. Neste fim-de-semana acontece o principal evento oficial do novo Regime Homossexual do Brasil: a Parada Gay de São Paulo.

Estarei lá, panfletando pró-homossexualidade e explicando à população os perigos do heterossexualismo para a família homossexual brasileira.

Há quem diga que a Parada Gay não passa de uma festa e que, por isso, tem menos credibilidade. Não poderia discordar mais! É neste dia que travestis, gays, lésbicas, do centro e da periferia, de todo o Brasil, desfilam orgulhosos em uma Avenida onde, nos outros 364 dias do ano, andam temerosos. É, acima de tudo, um importante evento de visibilidade.

Lembro da primeira vez que fui à Parada Gay e me emocionei ao ver, especialmente as travestis, tão orgulhosas de si, parando para tirar fotos com o público. Acho a Parada um evento que nos lembra da importância de sermos vistos, tratados como outro cidadão qualquer perante a lei, e respeitados na nossa condição mais verdadeira. A invisibilidade* é uma das formas mais cruéis da homofobia.

Marchemos! Adiante! A Ditadura Gay precisa de você!

ditaduragay-flyer

*ausência de demonstrações de afeto entre gays na televisão brasileira; políticos que afirmam que homofobia não existe; conservadores que dizem que, ao reclamar direitos civis básicos, estamos querendo privilégios.

%d blogueiros gostam disto: